A Story Beyond the Store

sábado, 16 de janeiro de 2016

LIFE

*Foto da web

A vida é mesmo magnífica. Claro que temos que enfrentar tormentas, furacões e tempestades de vez em quando, mas no fim, tudo sempre se ajeita e ela segue, tranquila, com a cara mais lavada do mundo, seu rumo.
Já me perguntei inúmeras vezes porque algumas coisas não aconteceram na minha, apesar de meu esforço. As respostas, no meu caso, são sempre as mesmas: calma Carolina, preste atenção nas suas ações, quando mudar suas atitudes, o resultado será diferente.
Aprendi a ouvi-la com mais atenção, os anos vividos me trouxeram mais tolerância, mas de vez em quando resmungo, dou uma resposta mal criada, por ela ser tão repetitiva. Nessa hora me lembro de que a repetitiva sou eu. Então, em noites calmas e solitárias, fazemos as pazes e aprendo a respeitá-la cada vez mais.
Lembro-me de quando mais jovem, falar em alto e bom som, o tanto que a vida era fácil... Doce inocência, apesar de amá-la muito, de fácil ela não tem nada. Solta seus destemperos em rajadas quase que sobrenaturais, de tão   surpreendidos que somos por uma de suas facetas...
Essa é a hora do rebuliço. Perco o chão, me revolto, grito, uso todo o meu lado mimada como se ela fosse a coisa mais injusta e eu a mais pobre vítima. Mas não é assim. Não pode ser assim. Somos cobrados por responsabilidade o tempo todo e por trás de sua rigidez,uma outra face nos entrega as grandes lições que vamos aprendendo com nossos erros. Por isso eu a amo, entendo, cuido e venero.
  Sempre, na hora dormir, faço um carinho em sua beleza e agradeço, de todo o meu coração, por fazer parte dela...
Afinal, ela é magnificamente, a totalidade que nos conduz...